Universo DipnLik

Notícia

Carrie - A Estranha versão 2013, programão nerdcult!

A refilmagem de 2013 da diretora Kimberly Peirce (do ótimo Meninos não Choram), estrelado pela ma-ra-vi-lho-sa Chloë Grace Moretz (a Hit-Girl de Kick-Ass e a wolfteen do ótimo Black Shadows), não foge do material original: durante o baile de formatura do colegial, Carrie não dá trela aos medos da mãe carola e constata que ser mulher é uma parada dura. Bem, para alegria dos puristas, tudo parece igual: a trama, as falas chavecosas ("vivemos num tempo sem Deus" etc...) e até os grunhidos da mãe louca. A sacada desta versão é o entendimento do poder  - e do sexo - bem diferente da primeira versão de Brian De Palma, em 1976. É a retomada do romance original de Stephen King (de 1974): ao menstruar pela primeira vez, a tímida Carrie White descobre ter poderes paranormais. E a telecinese que a adolescente desenvolve aí simboliza o seu desabrochar de mulher. Tá?
 
Falando sério, tem mesmo é muito fetiche e pouco desabrochar nesta nova Carrie. Há quem dia que a escolha de Chloe para  escolha de Moretz como protagonista está mais para uma Lolita do que uma sofredora (não dá pra deixar essa mina feia...). Não dá mais pra fazer o drama da virgem, Carrie agora é a anti-heroína. Novos tempos de hiperssexualização, mesmo na hora do chuveiro:  é agora uma adolescente com formas e lábios sensuais a que leva a chuva de tampões íntimos (e não os absorventes tipo "modess" da primeira versão).
 
É preciso muita atenção ao assistir esta nova versão de Carrie, sem comparar com o ótimo filme original de Brian De Palma. Desconfiança dos cinéfilos com o novo?  Muito compreensível... Ninguém pedia por uma nova versão! A diretora Kimberly Peirce corre o risco de sofrer acusações como a de não ter criatividade, de apenas explorar uma história famosa, de se julgar capaz de rivalizar com um clássico e por aí. Mas para quem chega de primeira viagem, sem pensar em comparações, a diversão é das boas. Faça assim: pegue seus sabores preferidos de DipnLik e vá curtir seu bom terror no escurinho do cinema!